segunda-feira, 15 de março de 2010

.aMaNhã.dE.MaNhã.


Amanhã de manhã quando eu acordar, meu corpo não será tão ligeiro, tão formoso, tão firme. Minha pele estará enrugada, minhas mãos trêmulas, meus movimentos vagarosos.
Amanhã de manhã quando eu acordar, minha voz não será tão macia, meus ouvidos não tão eficientes, e meus olhos escurecidos. Meu cabelo estará ralo e esbranquiçado, meus pés cansados, minhas memórias confusas.
Amanhã de manhã quando eu acordar, meus dentes não serão tão fortes, meus ossos estarão mais fracos e minha respiração mais ofegante. Voltarei a depender de cuidados, atenção e dedicação. Amanhã serei novamente tão frágil como fui ontem.
Amanhã de manhã quando eu acordar saberei o resultado de minhas escolhas, chorarei as perdas, celebrarei as conquistas. Muitos dos meus estarão como eu, outros já terão ido, outros não se lembrarão de mim.
Amanhã de manhã quando eu acordar saberei o nome daquele para quem eu direi “sim”, saberia o nome dos nossos filhos, e dos filhos dos filhos dos filhos dos nossos filhos. Eles não estarão mais nos meus planos simplesmente, mas já terão meu nome, meu sangue, meu amor. Então eles sentarão para ouvir minhas histórias e saberão que fazem parte delas.
Amanhã de manhã quando eu acordar, a última moda não fará diferença, o carro do ano também não, e a conta bancária talvez já esteja encerrada. Meus pertences não me pertencerão mais, minha herança terá sido partilhada, e ainda estarei distribuindo as últimas coisas que estarão na gaveta.
Amanhã de manhã quando eu acordar, meus pais já terão partido há muito tempo, talvez até meus irmãos. A saudade será insuportável, mas a longa espera para vê-los novamente estará se findando. Então darei uma boa risada.
Amanhã de manhã quando eu acordar saberei se as quatro árvores que plantei no quintal terão crescido e florescido. Saberei como as futuras gerações terão lidado com o aquecimento global, a fome, a violência e o lixo, e saberei se a água ainda é um recurso natural disponível.
Amanhã de manhã quando eu acordar vou descobrir o que aconteceu com meus sonhos, projetos, músicas e poemas. Terei fotos dos lugares que visitei, das casas que morei e das flores que colhi. Saberei quão longe foram minhas aventuras. Muitas de minhas perguntas terão encontrado suas respostas, e muitas outras terão se perdido sem saber.
Amanhã de manhã quando eu acordar, não serei mais tão jovem. Estarei nos tenros dias de minha velhice. E minha vida terá sido tão rápida como o sussurro da noite que separa o hoje do amanhã. Não haverá como voltar atrás nem como viver novamente. Pois o dia já terá amanhecido.
Amanhã de manhã quando eu acordar, poderei olhar pra trás e ver que aproveitei cada dia de minha vida e que faria tudo do mesmo jeito. Meu coração se encherá de júbilo e meus lábios de gratidão. Chorarei o fim de minha vida terrena, mas saberei que ela terá valido a pena. E terá sido um bom fruto dAquele penoso trabalho.
Então, depois de amanhã quando o dia amanhecer, levarão flores no meu túmulo e chorarão mais uma vez. Porque eles ainda estarão aqui. Eu, contudo, estarei naquele lugar onde todas as lágrimas serão enxugadas.

=]

2 comentários:

  1. =)
    Ah Ade...
    Glória a Deus...
    Glória a Deus...Tem tanto tempo que eu não passo aqui...
    Que eu não consigo nem mesmo passar no meu blog...
    Meus posts já estão empoeirados...
    São muitos os motivos que, ainda, por enquanto, não me deixam falar...
    + em fim...
    Amanhã de manhã olharemos para nossos blogs, e, serão ,muitos os aprendizados...
    Valeu pessoa...
    Amo Deus em seus dedos...



    Abraços...

    ResponderExcluir
  2. Ad, lembrei da primeira vez que li esse poema seu. Naquela epoca eu nem sabia que era vc quem escrevia aquele blog.
    Mas gostei de mais desse texto. Como Deus falou comigo, que temos que olhar para frente pq td na vida passa, por mais complicado que seja as coisas.
    Bjos
    Mel

    ResponderExcluir